Há exatos 160 quilômetros de distância de Nova Délhi, capital da Índia, uma cidade de apenas 63 mil habitantes chama atenção por um dado curioso: cerca de 20% da população de Vrindavan é formada de viúvas. 

Após a morte dos maridos, as viúvas devem raspar a cabeça e vestir branco. Muitas são expulsas de suas casas por genros, noras ou pelas famílias de seus maridos, com a intenção de impedi-las de herdar dinheiro ou propriedades. Também são excluídas de suas vilas, perdendo assim, não apenas a segurança da família, mas de todos a sua volta. Muitas vão morrer em Vrindavan sem nunca mais ver um parente novamente.

Vindas de várias regiões da Índia, as viúvas encontram em Vrindavan um local de refúgio para uma vida de muitas dificuldades. A cidade é um centro de peregrinação hindu para os devotos de Krishna. Não se sabe ao certo porque elas vão para lá. Apenas que vivem de templo em templo em busca de esmolas. Em troca, algumas cantam canções peregrinas. As mais jovens acabam caindo na prostituição. 

Apesar de contar com a esmola dos de fora, as viúvas de Vrindavan são hostilizadas pela população local. É que as viúvas na Índia são consideradas sinal de mau agouro. Algumas pessoas acham que só de olhar para uma viúva já atraem para si uma terrível má sorte. 

A cidade conta com um centro comunitário que fornece uma refeição por dia e quartos para aluguel. Para conseguir esse dinheiro, a esmola continua sendo a principal fonte de sustento delas. O governo e a sociedade pouco fazem pelas viúvas indianas, pois há um grande tabu em até mesmo admitir o problema.

Viuvez na Índia 

Ser viúva nunca foi fácil por lá. Até meados de 1920, era comum a prática voluntária ou não do Sati, o ritual de imolação da viúva na pira funerária do marido. Mesmo com a abolição do ritual, na prática, forçar uma viúva a queimar com o cadáver do marido só se tornou crime em 1987. Ainda hoje, a situação das viúvas na Índia é chamada de “vida de sati”. 

A Índia tem mais de 40 milhões de viúvas, aproximadamente 10% da população feminina do país. As mais novas com cerca de 10 anos de idade, dada à prática do casamento infantil, comum em algumas regiões. Apenas 28% delas recebe alguma espécie de pensão do marido. E o governo falha em prover qualquer tipo de oportunidade para essas mulheres se sustentarem. 

Os hindus mais tradicionais consideram que viúvas podem fazer apenas uma refeição por dia, devem jejuar por vários períodos do ano e jamais se casar novamente, a não ser com o irmão de seu falecido marido, caso ele queira. 

Fonte: Women Under Siege Project, BBC